Telefone:
(51) 3245-8900
contato@
ahvn.com.br

Home   >   Hospital reinaugura serviço de Emergência

Hospital reinaugura serviço de Emergência

A Associação Hospitalar Vila Nova (AHVN) reinaugurou, na manhã desta quinta-feira (23), as instalações do serviço de Emergência da instituição e oficializou a implementação do Serviço de Transportes dos pacientes. O local foi remodelado após a implantação da Metodologia Lean, em novembro de 2018, reduzindo o tempo de espera na emergência em torno de 75%.

“No ano passado, um paciente aguardava cerca de 240 minutos até o atendimento ao médico, período que caiu para 58 minutos no mês de março deste ano”, comemora o presidente da AHVN, Dirceu Dal’Molin. Ele revela que o resultado positivo ocorreu sem a contratação extra de profissionais ou de recursos, apenas com a aplicação de metodologia de trabalho. “Passamos a fazer mais com o mesmo. Somos o décimo hospital a receber a aplicação do Lean pelo Hospital Sírio Libanês, de São Paulo”, acrescentou.

O coordenador médico da Emergência, Fernando Alvares, destacou o fato de que as mudanças possibilitaram o aumento no número de atendimentos, passando de 265 pacientes por dia para 340 pessoas. “Tiramos tudo aquilo que não agregava valor ao tempo de atendimento do paciente, reestruturando os fluxos internos, e, consequentemente diminuindo o tempo de permanência da pessoa no hospital”, explicou.

Para o vice-prefeito Gustavo Paim, a saúde pública de qualidade não precisa necessariamente ser estatal. “Saúde pública é um serviço que precisa ser prestado por todos, desde Município, Estado, até a União, e de forma que busquem atenção ao público. O Vila Nova é um exemplo de hospital 100% SUS, privado e que presta serviços de qualidade reconhecida por todos”, disse.

Segundo o secretário municipal de Saúde, Pablo Stürmer, a metodologia traz mais qualidade e agilidade no atendimento à população. “Entre 2017 e 2018, o foco da secretaria foi no aumento da oferta de leitos. Agora, estamos trabalhando na qualificação desses leitos e com isso reduzindo tempos de espera por atendimento”, ressalta. Conforme Stürmer, o formato pode se estender aos demais hospitais da Capital.

A AHVN disponibiliza seus 420 leitos para internações clínicas e cirúrgicas, dependência química, UTI e saúde prisional, destinando 100% dos atendimentos aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS). Em média, realiza mais de 15 mil internações no ano. É o único a oferecer, com veículos próprios na Capital, serviço de transporte de pacientes de postos da rede de saúde diretamente para o hospital.

A instituição também conta com o Serviço de Atenção Domiciliar (SAD), único no País que faz a desospitalização de pessoas. O SAD é indicado para quem apresenta dificuldades temporárias ou definitivas para sair de casa e chegar até uma unidade de saúde ou para pessoas que estejam em situações nas quais a atenção domiciliar é a mais adequada para o seu tratamento.

A AHVN presta ainda o Serviço de Verificação de Óbito (SVO), que avalia casos de mortes ocorridos por causas naturais em Porto Alegre. Desta forma, médicos das UPAs e hospitais não necessitam interromper a assistência de pacientes para realizar verificação de óbitos ocorridos fora dos serviços de saúde.

Atualmente, 16 hospitais do país já utilizam o Lean. O projeto integra o Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (Proadi-SUS) para o triênio 2018 a 2020. O Sistema Lean, que pode ser traduzido como produção enxuta, é uma metodologia japonesa que chegou ao ocidente após a Segunda Guerra Mundial e foi utilizada em inúmeros setores produtivos. A partir da década de 1990, foi adaptado para a área da saúde, com impactos muito positivos.

Além de diretores, médicos, enfermeiros e colaboradores do hospital, participaram do evento os vereadores Dr. Goulart, Nelcir Tessaro e o suplente Gilson Padeiro, o representante do Hospital Sírio Libanês, Rasível dos Reis Santos, o diretor-geral do Hospital Restinga e Extremo-Sul, Paulo Fernando Scolari, o representante da diretoria do Grupo Hospitalar Conceição Jean Ruskowski, o diretor-técnico da FGTAS, Darci Cunha, e gestores da Crip e Orçamento Participativo do Extremo-Sul.